domingo, 19 de novembro de 2017
Home / Artigos / Top 10 Lendárias do momento

Top 10 Lendárias do momento

ragnaros post

Hoje nós iremos fazer um ranque com algumas Lendárias.

E todos sabemos que nada gera uma discussão tão grande quanto tentar colocar alguma coisa em um ranque. Por exemplo olhe para qualquer esporte que você goste e olhe sobre o ranqueamento, seja de clubes ou jogadores (olhe em especial os comentários :D) para entender do que estou falando.

A minha ideia original quando comecei com essa ideia, era a de trazer um olhar mais crítico a todas as Lendárias existentes no jogo no momento, incluindo as de classe, ranqueando puramente no sentido competitivo do jogo e no Metagame atual. Isto que dizer que o ranque não teria nada a ver com o quanto a carta é “divertida” (Gelbin Mekkatorque).

Então eu percebi que estava indo longe demais, decidi então fazer apenas um TOP 10.

Então sem mais demoras, vamos ao ranque:

Top 10 Lendárias na atualidade Fevereiro 2014

top 10 lendárias

Para não me prolongar demais, eu apenas irei me aprofundar nas TOP 5.

ragnaros

Quando comecei a me interessar mais por decks mid-range e controle eu não possuía as cartas Lendárias necessárias para poder montá-los perfeitamente. Eu possuía Caerne, Mago Sangrento e O Cavaleiro Negro que eu poderia utilizar no meu deck de Druida mid-range, mas todas as vezes que eu enfrentava uma “mirror match” (enfrentar a mesma classe com o mesmo deck), a partida inevitavelmente é decidia nos seus estágios finais, com Lendárias espetaculares que eu não possuía.

A coisa funciona da seguinte maneira, quando você joga com qualquer tipo de deck que não seja de Agro, e quando você enfrenta um deck de Mid-range ou Controle, você irá chegar nos estágios finais da partida (o famoso late game) em todos os jogos, e quando isso acontecer, as Lendárias tendem a ganhar os jogos. Se você deseja jogar um deck mais lento, você precisa ter uma ameaça que ganhe o jogo para você.

Voltando então ao meu Druida mid-range, absolutamente nada que eu criava ou adicionava aumentou tanto a minha porcentagem de vitórias quanto criar (e adicionar) um Ragnaros ao meu deck. Não era necessariamente que o Ragnaros quando jogado uma vitória automática, mas era algo que eu podia trabalhar em cima e planejar minhas jogadas em cima dele. Assim que eu consegui um fim de jogo mais consistente no meu deck, os jogos começaram a fluir melhor para mim.

Basicamente, a razão do Ragnaros ser a número 1 desse ranque é:

  • Funciona em quase todos os decks
  • Consegue finalizar uma partida por si só.

No momento, o metagame consiste em sua maioria de Druida (mid-range/Vigia Ancião), Guerreiro (controle), Xamã (mid-range), Ladino (miracle), Hunter (cheese faceroll, vulgo “to da face”) e Bruxo (murlocs). (Obviamente existem mais decks nos ranques diferentes, mas esses são os que eu mais cruzei.) Contra a maioria desses decks (excluindo obviamente o Hunter faceroll e o Bruxo murloc), o Ragnaros é simplesmente a melhor coisa que você poderá estar jogando. Por isso, o Ragnaros ocupa o topo desse ranque.

leeroy jenkins

Para aqueles por aí que simplesmente odeiam qualquer coisa relacionada a “agro”, mesmo sem ter nenhum argumento como algo “é estúpido e eu odeio isso”, essa carta com certeza vai te irritar. Leeroy vem logo atrás de Ragnaros por apenas 0.05 pontos na minha escala de 10 pontos. Foi por muito pouco. E sim, ele merece estar tão perto assim.

Leeroy fazer coisas em Hearthstone que nenhuma outra carta é capaz de fazer. Na maioria das vezes é utilizado como uma “Bola de Fogo” neutra utilizada para finalizar partidas nos decks de Agro. Entretanto, o fato de que alguns decks mid-range e controle vem utilizando mais o Leeroy, deveriam dizer a você o valor que essa carta possui.

Decks de Ladino podem finalizar oponentes com mais de 20 de Vida utilizando combos com o Passo Furtivo e Sangue Frio. Bruxos conseguem causar quantidades de dano absurdos mesmo sem nada na mesa com Poder Esmagador e Fogo d’Alma. Paladinos e Xamãs possuem a habilidade de buffar o Leeroy como Benção do Poder/Arma Trinca-Pedra, respectivamente, por 9-12 de dano com pouca mana utilizada. Sim, existe um efeito colateral no qual o seu oponente ganha 2 cartas 1/1, mas se o oponente estiver destruído após o Leeroy, que diferença isso fará?

Essa é então outra carta que estará sempre no topo das prioridades independente do Metagame. Porém eu tenho visto cada vez menos decks de Druidas e Bruxos (gigantes), fazendo com que essa carta seja ainda mais uma carta para finalizar nos estágios finais da partida. E mesmo quando via muitos desses decks o Leeroy ainda podia ser utilizado como uma remoção para os lacaios fortes com Provocar.

nat pagle

Algumas pessoas colocam o Nat Pagle no topo de seus ranques, e eu não posso discordar delas. Ela é uma carta excelente. Jogadores menos experientes simplesmente não entendem como uma carta 0/4 que pode talvez comprar uma carta pode ser tão boa assim. Eu posso dizer a vocês, pela minha experiência dos meus tempos de Magic: the Gathering, a habilidade de ganhar cartas adicionais por mana ZERO é um baita investimento. Quando você está jogando com um deck de controle, você estará batalhando por ter mais cartas na mão para ter mais jogadas para ajudá-lo a chegar no fim do jogo, Nat Pagle faz isso para você, ele entra em jogo e pode pescar para você mais cartas para ter mais jogadas, por ZERO de mana após sua entrada na partida.

Isso significa que, conforme o jogo vai seguindo e o Nat Pagle continua vivo, você tem a liberdade de gastar toda a sua mana eficientemente para lidar com os lacaios do seu oponente, sem precisar se preocupar em gastar mana para comprar cartas. Você então passa o turno e : “Ha! Peguei uma!” significando que o Pagle está conseguindo para você recursos adicionais por custo ZERO. Leeroy é forte porque se encaixa bem quando seu plano de jogo é de Agro (causar dano suficiente, rapidamente, para finalizar o oponente), Nat Pagle é forte exatamente pela mesma razão. Ele se encaixa em planos de jogo de Mid-range e Controle (ter mais recursos que o seu oponente).

Se você notar a lista de TOP decks que passei aqui mesmo nesse artigo, você vai notar que apenas dois deles se encaixam no Agro, o resto deles irão enfrentar batalhas de recursos se você estiver utilizando um deck de mid-range ou controle. Nat Pagle, não é tão bom contra Hunter ou Guerreiro (Agro), então se uma grande porção dos seus oponentes no seu ranque for formada por esses decks, o valor do Pagle será reduzido. Portanto o ranque correto para ele no momento é o número 3.

mestre-faz-tudo

Quantas vezes você já utilizou um Ragnaros ou uma Ysera contra um Druida e pensou: “Haha! Não existe a menor possibilidade desse Druida remo….pera aí, @#$$%#$$@# de Superchispa. Ah sim, claro! TINHA QUE SER UMA 1/1…”

Eu consegui um Mestre-faz-tudo em um dos meus primeiros pacotes de premiação na Arena, olhei para ele e desencantei, sem dó nem piedade. “Isso parece horrível… Porque eu iria querer utilizar essa porcaria?!”

Entretanto, quando você percebe que ela transforma um lacaio, independentemente do tamanho, status ou buffs, em um lacaio comum, você começa a entender o seu valor. Basicamente, ela é, na pior das hipóteses um “Silenciar” que transforma um lacaios gigantesco em no máximo um lacaio 5/5 comum. E na melhor das situações significa: “Humm, a sua Ysera é tão linda quanto um esquilo…literalmente”. Mesmo que seja chato quando a RNG (random number generated, termo utilizado para a sorte e ao pé da letra: número gerado aleatoriamente) dá ao seu oponente um 5/5 através do Superchispa, se você utilizá-lo corretamente, essa 5/5 é melhor para você do que o lacaio que você transformou. Eu prefiro mil vezes que meu oponente tenha um lacaio 5/5 do que um Ragnaros ou um Caerne Casco Sangrento.

Se você for jogar um deck mais lento, de controle ou mid-range esta deve ser uma de suas primeiras Lendárias a ser criada. Mesmo que o Nat Pagle seja mais forte no momento, eu diria que o Superchispa deveria ser a segunda Lendária a ser criada (a primeira sendo o Ragnaros) quando você for jogar com um deck que não seja de Agro. A razão para isso é que, se você está utilizando um deck em que seu objetivo é ter mais recursos que o seu oponente, você estará jogando de uma maneira que você deseja que o jogo chegue até os seus estágios finais de qualquer maneira. Significando que, quando você enfrenta outros decks mais lentos, você e seu oponente terão oportunidade de ver todas as cartas de seus decks e mana para jogar tudo.

Isso significa então que você provavelmente verá a maior ameaça que seu oponente possui, em quase TODAS as partidas “semi ou mirror-match”.

Não sei vocês mas, nessas situações, eu definitivamente quero ter uma carta na manga. Se eu enfrento um Guerreiro de controle, eu definitivamente quero ter uma maneira de conseguir lidar com a Ysera (um lacaio impossível de se lidar como Druida).

Contra decks de Agro, o Mestre-faz-tudo não é tão bom assim, mas também não é dos piores. Quando eu estava tentando pegar o Lendário nessa temporada com meu deck de Bruxo de agro, eu tive uma situação contra um Druida em que eu joguei um Demonarca e então joguei também um Defensor de Argus, fazendo com que ele se tornasse um lacaio 6/8 com Provocar. O Mestre-faz-tudo do meu oponente transformou o meu Demonarca em um esquilo 1/1 no turno seguinte, mas mesmo que transformasse em um lacaio 5/5 (sem provocar), teria sido melhor para ele do que um 6/8 Provocar. Se o metagame mude para em sua grande maioria agro, eu consigo ver o Mestre Superchispa perdendo muito valor, assim como o Pagle.

mago sangrento

Para finalizar o TOP 5 essa carta eu considero uma das mais flexíveis e úteis entre as Lendárias do jogo no momento atual. Ela é simplesmente ótima ao que ela se propõe – ser uma carta que faz o resto do seu deck ser melhor. Digamos que é o Messi/Cristiano Ronaldo/Neymar do Hearthstone.

Os seus feitiços causam mais dano pela mesma quantidade de mana e você ainda compra uma carta. É ainda uma carta barata, fazendo com que você consiga em um turno usá-la e um feitiço que sozinho não seria o suficiente para remover um lacaio do seu oponente ou até mesmo ganhar o jogo (estou falando de você PATADA).

Ela nunca irá ganhar o jogo sozinha para você,  mas ela é incrivelmente flexível e incrivelmente viável em qualquer metagame. Não pense nessa carta como uma Lendária na essência da palavra (uma ameaça sem igual, nunca vista antes, apenas em lendas) mas sim como um parte essencial na engrenagem do seu deck.

Você nunca irá se sentir bem gastando 1600 pós para criar uma carta que você sente que deveria ser um lacaio normal, mas você irá se sentir maravilhoso quando em qualquer deck que você for criar você vai poder clicar no Mago Sangrento de Thalnos para adicioná-lo ao seu deck. O investimento inicial é pesado, mas em um dia ou dois você esquecerá o que você gastou para criá-lo e ter acesso a essa carta será muito bom a longo prazo. Essa realmente não é uma das cartas que garantem gratificação imediata, e sim uma que você verá o benefício de criá-la frequentemente.

Não existe nada especial no metagame que faça com que o Mago Sangrento seja melhor ou pior, e esse é o ponto.

O resto das TOP 10

Enquanto que nada entre as TOP 10 grite: “Surpresa!”, o Velho Olho-Turvo talvez levante uma Velha Sobrancelha ou outra. Murlocs tem sido vistos com muita frequência nos ranques mais altos, e mesmo que precise-se de um pouco a mais para fazer com que funcione, o Velho Olho-Turvo é praticamente um Leeroy Jenkins #2 com menos ímpeto, sem efeito colateral e com possivelmente mais dano (com todas as sinergias adicionais dos Murlocs). Essa carta em termos de flexibilidade é horrorosa, mas incrivelmente alta em termos de poder. Esse é o maior ranque que o Olho-Turvo irá alcançar, pelo fato dos Murlocs estarem tão populares no momento por estarem “jogáveis”, mas no fim das contas ele mereceu um lugar no TOP 10 do momento.

Você provavelmente também irá reparar na Sylvana mal conseguindo entrar no TOP 10 (atrás até mesmo do Caerne). Após o nerf, as pessoas chegaram a conclusão de que ter uma 4/5 garantida do Último Suspiro da sua carta com custo 6 de mana é melhor em decks de mid-range do que fazer com que seu oponente faça trocas esquisitas (conseguindo talvez um lacaio dessa situação). A verdade é que, em decks de mid-range, você quer manter a mesa relativamente vazia e a Sylvana quer que a mesa esteja de uma maneira em que seu oponente não tenha nenhuma maneira imediata de lidar com ela (sem ter que te dar um lacaio). Os status anteriores (5/5 por 5 de mana) eram suficientes para fazer dela um ótimo lacaio independentemente de seu Último Suspiro, mas agora, Caerne é um investimento melhor para o custo 6 de mana.

Metodologia utilizada no ranqueamento:

Eu determinei 3 medidas pelas quais eu queria avaliar cada Lendária e dei pontos em cada medida para cada carta. As 3 medidas que utilizei foram:

  • Poder
  • Presença no Metagame e Viabilidade
  • Flexibilidade

Poder:

Esta é talvez uma das medidas mais subjetiva das três, pois o quão “poderosa” é uma carta? Para essa medida, estou olhando para as cartas de forma abstrata, não necessariamente em seu contexto do formato atual. Basicamente, se jogada, quanto que essa carta iria te ajudar a ganhar o jogo em comparação com outras cartas com o mesmo custo de mana.

Presença no Metagame e Viabilidade:

Minha medição com relação ao Metagame é bem simples: “Esta carta é vista sendo jogada? Deveria ser?” Por exemplo: Existem muitos decks de Gigantes? Então, obviamente, nós precisamos de alguns Cavaleiros Negros em nossas vidas (e decks :D).

Guerreiros utilizando decks pesados em armas? Xamãs começando a utilizar o Martelo da Perdição do nada? Nós então, obviamente, precisaremos de maneiras de destruir armas.

Certas cartas irão ter marcas altas nesse quesito independentemente do Metagame. Pense no Mestre-faz-tudo Superchispa e no Nat Pagle.

Flexibilidade:

Aqui é onde cartas como o Mestre Superchispa, Nat Pagle e Mago Sangrento Thalnos irão brilhar e cartas como o Olho-Turvo vão cair de valor monstruosamente. “Em quantos decks essa Lendária pode ser utilizada e como ela pode melhorar o deck?”

É simples assim. O Mestre Superchispa vai em praticamente todos os decks de hoje em dia, o Olho-Turvo tem exatamente um deck em que pode ser utilizado.

Fonte: blizzpro

Sobre Bruno

Veja Também...

A arte do Mulligan

Então, o que significa Mulligan? O termo é original do Golf, que se refere a …

Substitutos das Lendárias

Em um mundo perfeito nós todos teríamos todas as cartas de Hearthstone. Todas seriam douradas. …